Antes Depois - e tudo o que acontece no meio


Se tivesse epígrafe, talvez este livro começasse assim: "Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara."


Editado pelo selo Livros da Raposa Vermelha", da WMF Martins Fontes, o francês "Antes Depois" (título original: Avant Après), escrito e ilustrado por Anne-Margot Ramstein e Matthias Aregui, chegou às prateleiras brasileiras no ano passado, portanto, não deveria ser nenhuma novidade. Exceto pelo fato de que é. É muita novidade e é todos os dias, todas as vezes que o abrimos, sempre que uma página é virada. Um livro que, com algo tão simples quanto uma geleira no lugar de um campo, faz pensar em ancestralidade, em antecedência.


Livro pra criança? Livro pra adulto? "Antes Depois" é um crossover, impossível de classificar. Não é difícil imaginar o livreiro, o mediador, o bibliotecário, o professor pensando: é arte? é livro ilustrado? cabe em qual prateleira? Importa muito menos pensar nisso do que se deixar levar pela ideia: um contínuo antes e depois que só termina na percepção do leitor.



Tem a noite que vira dia, a semente que vira árvore, o botão que vira flor, a abóbora que vira carruagem. E de repente a coisa começa a ficar mais complexa. À medida que os signos vão avançando, o campo semântico se expande, e às vezes o entendimento é uma melancolia: floresta que virou prédio, polvo que virou tinta, incêndio que se transformou em vazio.



Com suas cores e ilustrações cativantes, o livro faz pensar. Afinal, que importância tem discutir com as crianças os antecedentes das coisas? E a resposta está na impermanência, que é o denominador comum da vida. Sem impermanência, não existem mudanças, tudo o que é vivo está diferente hoje daquilo que era ontem, e assim vai. É reconhecendo que tudo - de plantas a situações históricas, políticas e sociais - já foi semente, início, ideia, que conseguimos entender o estado atual das coisas. O princípio de futuro potencial em tudo o que está no presente começa justamente pelas crianças, que serão os adultos de amanhã. Por isso é que um livro simples como esse pode iniciar aquela conversa difícil de "de onde viemos, para onde vamos" com os pequenos. Contar uma história bem contada também é discurso, e discurso é ato político, sempre.




Mas voltemos ao livro. "Antes Depois" traz um desenho por página, lado a lado, como se dividisse o mundo no meio, até que uma ilustração de página dupla se esparrama pelos dois lados e eleva a percepção para passear ainda mais longe. Algumas sugerem metáforas, outras levantam dúvidas, mas todas contam uma história.


Um livro pra gastar horas e horas, e mesmo assim não chegar a tudo. Dá pra rir, chorar, perceber, descobrir, e dá pra mergulhar num mistério profundo - algumas sequências de ilustrações, mesmo depois de olhar e olhar de novo, ainda são interrogações, como a sequência de um vasto campo verde que se transforma em estrada bifurcada, cruzamento impávido. O que o livro estaria sugerindo?


Tem outras que emocionam, sensibilizam. Como esta aqui, que o leitor fica olhando, olhando...



até que:


E o pensamento voa: "Ahhh, então é isso!"


"Antes Depois" fala de tempo. E pede tempo. Para acessar o que ele propõe, o leitor tem que anular a pressa e desviar do perigo das interpretações rápidas. O resultado pode ser mágico, imensurável. Como diz Fiorella Farinelli, no prefácio do livro, La Pedagogia della Lumaca, de Gianfranco Zavalloni:


"A importância do caminho, portanto, não da chegada. Do tempo do caminho, que deve ser lento, não só para aceitar o passo de quem é mais fraco, mas para que, seguindo a curiosidade e as emoções, cada um possa aventurar-se, descobrir outras pistas, fazer desvios, voltar atrás, trocar pensamentos e sentimentos, contruir relações. E amanhã, exatamente por ter realizado uma caminhada deste tipo, possa não esquecer o que aprendeu."


Às vezes, o que era depois vira antes, o que era nunca vira possibilidade.

Um livro para falar com as crianças (e nós mesmos) sobre a inevitável impermanência das coisas, sobre quem éramos antes de sermos quem somos, o que vivia aqui antes de nós, sobre o tempo e as possibilidades, a espera e o vagar que existe em tudo o que é vivo e se movimenta. Não por acaso, uma das últimas sequências de ilustrações do livro é um interruptor acendendo e apagando. E tudo começando de novo.


O que acontece depois é um grande segredo. Exatamente como na vida. ANTES DEPOIS (Avant Après) Livros da Raposa Vermelha (WMF Martins Fontes) Edição: 1ª Edição - 2015

Número de Páginas: 172

#resenha #livroilustrado #livroimagem #crossover #arte #ilustração

Posts Destacados 
Posts Recentes 
Siga
  • Facebook Social Icon
    Garimpos afins
    Procure por tags
    Nenhum tag.