Abre aspas

 

"As crianças são pessoas muito interessantes. São complexas, leves e profundas ao mesmo tempo, seguem vias originais de comunicação consigo mesmas e com o mundo; “fabulando” a vida, são tendencialmente anárquicas."
- Luisa Mattia, no artigo "Quando o pensamento se faz palavra"

 

 

“Nesta terra fértil da ficção, onde tudo é possível, creio que as crianças e os jovens podem enfrentar e resolver qualquer coisa sem a ajuda de nós, os adultos. Que façam isso. Não vai acontecer nada de errado se imaginarem que não precisam de nós.”

“A boa literatura costuma não ser inócua, ou se ajustar a ideais preconcebidos, mas ao contrário. Geralmente nos coloca em lugares pouco confortáveis, costuma provocar angustia, costuma propor uma reflexão sobre o mundo desde alguém frágil, costuma mostrar o que nós não gostamos de ver. Potencialmente, gera incômodo desde todos os lugares possíveis: a sexualidade, a violência, a morte, os desejos inadmissíveis de vingança e sentimentos destrutivos e autodestrutivos. E também desde o riso, mesmo do riso fácil e barato, e por que não? Ler um livro, pelo menos, um de ficção, é expandir seu mundo, é recorrer um expecto de emoções que não excluam as pouco recomendadas pelos médicos, mas todas.”

“Comecei esta reflexão me perguntando por que escrevo para crianças e jovens. As razões são simples. Pelas mesmas razões que escreveria qualquer ficção. Para descobrir. Para compartilhar. Para ser livre. Para remexer. Para sentir prazer. Para ser estrangeiro. Para me adaptar. Para me desafiar. Para me modificar. Para saber que não sei. Para ser eu.”

- Federico Ivanier, no artigo O adulto no mundo da LIJ

 

"Aquilo que chamamos literatura infantil é, muitas vezes, um estereótipo fundado numa falsa menoridade da criança e na verdadeira arrogância do adulto.”
- Mia Couto, no prefário de "A diaba e sua filha, de Marie Ndiaye

 

"Escrever representa uma das formas de desafio à morte. E ler também é permanecer. Qualquer forma de escrita. Qualquer forma de leitura."

- Matilde Rosa Araújo, em "A estrada fascinante"

 

“A infância é o outro: o que sempre está além de qualquer tentativa de captura, pondo à prova nossos saberes, questionando o poder de nossas práticas e abrindo um fosso no qual o edifício bem construído de nossas instituições de acolhimento mergulha.”

- Jorge Larossa

 

"Essencialmente acredito que é útil e fundamental para aqueles que mais conhecem e amam a criança apresentá-la às realidades mais complexas da vida. Por exemplo, ouvimos pais dizerem:” Bem, não sei se devo contar ao meu filho coisas sérias. Não sei se devo falar de morte, doença, ódio ou guerra “. É claro que se deve contar aos filhos tanto histórias feias quanto bonitas. Toda criança deve receber o mapa e o treinamento para penetrar as florestas claras e sombrias do mundo. Omitir que há violências, más opções e grandes paixões que subjugam a mente, e não ensinar à criança como proteger sua alma, a enfraquece."

- Clarissa Pinkola Estés, no livro "Contos de Grimm"

 

"A literatura – e nisso ela se parece muito com as crianças – é perigosa porque perturba as formas cristalizadas que damos (e que nos dão) para interpretar a realidade."

- Marcela Carranza, no artigo "A literatura a serviço dos valores - ou como avaliar o perigo da literatura"

 

"O mediador precisa saber pensar o que é leitura para ele. É mais importante saber por que faz do que como faz."

- Angela Müller de Toledo

 

"Poder ler é um direito. Ler é exercê-lo."

"Toda escolha é só uma escolha possível. Nenhum leitor é livre."

- Luiz Percival de Britto, no livro "O revés do avesso"

 

“Não apelar a um público predefinido, mas sim, tentar construir um para si. A responsabilidade do artista encontra-se primeiro e, acima de tudo, no trabalho em si, confiando que ele vai atrair a atenção dos outros pela força de sua convicção.”

 - Shaun Tan

 

“Sou completamente louco, eu sei disto. Não digo que sou o o “sabichão", mas sei que isso é muito da essência que faz meu trabalho algo bom. E eu sei que meu trabalho é bom. Nem todo mundo gosta, ok. Eu não faço isso para todo mundo. Ou para qualquer um. Eu faço porque eu não consigo não fazer.”

- Maurice Sendak

 

“As crianças são altivas, desdenhosas, iradas, invenjosas, curiosas, interessadas, preguiçosas, volúveis, tímidas, intemperantes, mentirosas, dissimuladas; riem e choram facilmente; têm alegrias imoderadas e aflições amargas sobre assuntos mínimos; não querem sofrer o mal e gostam de fazê-lo; já são homens".

- Jean de La Bruyère

Achados

Espaço em eterna construção.
Para ecoar inspirações, trechos de livros, opiniões de escritores, pesquisadores e professores. Momentos de iluminação sobre o garimpo no escuro.